Jornal do Vinho

A batalha do Prosecco

Produtor italiano reclama de vinícola gaúcha que produz espumante denominado Prosecco

Marcos Pivetta/www.jornaldovinho.com.br

05/08/2011

Ganhou destaque ontem em jornais da Itália a queixa de um produtor de espumantes da província de Treviso, a azienda Battistella, que reclama de concorrência desleal da parte de seus colegas do Brasil. Motivo da querela: os produtores brasileiros fazem espumantes com a uva Prosecco (hoje oficialmente denominada Glera) e o vendem com o nome de Prosecco. Nas reportagens que ganharam a imprensa italiana, o caso citado é o do espumante Prosecco  elaborado pela Cooperativa Garibaldi, situada na cidade de Garibaldi, na Serra Gaúcha.

O jornal Il Gazzettino, do nordeste da Itália,  esbraveja em dobro, pois diz que o espumante brasileiro se apropria de “dois campeões nacionais”, dos termos Prosecco e Garibaldi (herói da unificação italiana na segunda metade do século XIX que também teve importante passagem pelo Brasil).  A reportagem ainda lembra que em outros países o termo Prosecco também é explorado. Na Austrália, há uma rota do Prosecco. Na Alemanha, é possível comprar espumantes chamados Prisecco.

Os italianos se acham no direito de reclamar porque, há 2 anos, mudaram a legislação: alteraram o nome da uva Prosecco para Glera e transformaram o termo Prosecco como designação de uma região produtora de vinhos espumantes. Como a legislação internacional protege áreas geográficas demarcadas para a produção de vinhos (o termo Champagne é, por exemplo, de uso restrito dos produtores da região francesa denominada Champagne), ninguém mais no mundo poderia usar o termo Prosecco nos rótulos (veja reportagem sobre a mudança).

Alguém se anima a tomar um espumante chamado Glera? Parece nome de doença.

Print Friendly, PDF & Email

2 thoughts on “A batalha do Prosecco

  1. Silvia

    Marcos, e se esses produtores quiserem mais briga, vão poder visitar a vinícola Batistella que existe no Vale dos Vinhedos.
    Eu proponho uma troca: para cada nacional que mudar o nome do rótulo, os italianos ficam proibidos de vender aqui 5 rótulos daquela beberragem que eles chamam de Lambrusco, que agora vendem até em latinhas aqui no Brasil.
    A propóstio: Lambrusco também é DOC.
    Madonna!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *